Arquivo da categoria: imprensa e mídia

É crime? – Parte II


O caso “Tropa de Elite

Semana passada fui assistir ao filme Tropa de Elite 2 nos cinemas. Até comentei por aqui… Realmente é um filme muito bom que, como disse antes, vai fácil bater todos os recordes de qualquer produção nacional. Só na primeira semana foram mais de 1,3 milhão de espectadores, muito diferente dos pouco mais de 120 mil da estréia do primeiro filme em 2007. Mas o que houve de tão diferente?

 

Tropa de Elite pirateado
Cópia pirata do filme Tropa de Elite encontrada em qualquer camelô

Durante as semanas que precederam o lançamento do segundo filme se falava muito na operação de proteção das cópias que chegavam às salas de cinema em todo o país. Diversos recursos e várias medidas foram tomadas para que essa cópias não acabassem reproduzidas (pirateadas). Em 2007, estimava-se que cerca de 11 milhões de pessoas viram Tropa de Elite fora dos cinemas, com cópias pirateadas. O medo era que o fiasco se repetisse esse ano, mesmo com toda a divulgação feita e mesmo com boa parte dos espectadores sabendo da qualidade do filme, depois da repercussão do primeiro.

Mas cabe a discussão: o ‘vazamento’ da cópia que originou todo o ‘transtorno’ do primeiro filme foi ou não foi benéfico para que se chegasse à tal badalada repercussão? Se essa cópia não tivesse sido exposta ao público antes do lançamento do filme, o sucesso teria sido o mesmo? Chega-se a especular que tenha sido proposital…

O que não muda é o fato de que essas cópias piratas ainda estão aí nas ruas… Tanto do primeiro quando do segundo filme (que já vi aqui pelas ruas de Curitiba). Assim como a de milhares de outros filmes que volta e meia simplesmente aparecem por aí, às vezes meio que sem explicação! Com qualidade de DVD, os mesmos extras e etc. E nesses casos a fiscalização não chega, não faz nada…

Em compensação, essa semana uma americana foi sentenciada a pagar cerca de 1,2 milhão de dólares às gravadoras por baixar e disponibilizar pelo Kazaa (lembra dela) 24 músicas em formato MP3! No caso foi citado que mais de mil arquivos nesse formato foram encontrados no computador da tal moça, mas ela só foi julgada por essas 24. O Kazaa, pra quem não sabe, é um programa de compartilhamento online (P2P) de arquivos em que não é cobrada nenhuma taxa, ou seja, não há lucro de ninguém (nem dos donos do serviço, nem do usuário). Porém, segundo o processo que rolou por lá, ela foi julgada por danos às gravadoras, que teriam, supostamente, deixado de lucrar essa quantia com o download ilegal das músicas.

E as quadrilhas que vendem os CDs piratas? E os ‘trabalhadores informais’ que lucram vendendo tênis, camisas, DVDs e tantos outros produtos ilegais nas ruas das nossas cidades? O deles não é crime, né?

Continua…

É crime? – Parte I


Lembra quando a gente pegava uma fita K-7 com uma coletânea de músicas daquelas que a gente mais gostava e ia ouvir no som do carro? Ou quando a gente copiava aquele LP novo do amigo pra poder ouvir e saber se a banda era boa ou não? Lembra daqueles filmes que a gente alugava em VHS e que tinha aquela mensagem falando que se a fita fosse pirata podia danificar o nosso vídeo? Nessa época, quanto você se preocupava com pirataria?

Uma fita K-7
Fita K-7 da BASF, muito popular nos anos 1970, 1980 e 1990

Bom, creio que se essa pergunta fosse feita hoje a resposta seria bem diferente, certo? Depois do surgimento do CD, do DVD, da Internet, do MP3, muita coisa mudou na indústria em geral, principalmente na cinematográfica e musical. No Brasil então, de 1998 pra cá até a própria lei mudou. Porém, continua polêmica e até desatualizada, segundo alguns estudiosos do setor.

>> Lei L9610, de 19 de fevereiro de 1998 (que trata de Direito Autoral)

Pela nossa legislação, copiar qualquer parte de uma obra intelectual, seja ela um livro, filme ou música, e possuir essa cópia sem prévia autorização do autor, é crime! Ou seja, se você não chegar pro cara que escreveu o livro, gravou o CD ou filmou o DVD e pedir a autorização dele para reproduzir (no sentido de fazer uma cópia) aquela obra, você está agindo ilegalmente. Até aí, nada demais, certo? Essa parte da lei todo mundo conhece!

Mas bem… Agora saiba você que o escritor, o artista que compôs ou o ator, atriz, cineasta ou seja lá quem for que você acha que possui os direitos sobre determinada obra, não tem! Segundo nossa mesma legislação, a editora, a gravadora, a produtora é que tem esse direito. Ou seja, é a eles que você deve pedir para fazer uma cópia de qualquer coisa. Até mesmo se você for o próprio artista envolvido!

Sim, essa é a verdade…

Em outras palavras, se você, um cantor, gravou uma música e a lançou por uma gravadora qualquer, mesmo a música sendo registrada em seu nome e etc, o direito daquela obra gravada pertence à gravadora! E para que você possa copia-la para alguém, seja uma amigo, parente, ou colocar uma cópia para download no seu site, você precisa da autorização da sua gravadora!

Pela mesma lei, qualquer tipo de reprodução da mesma obra (no caso de uma música, até o fato dela ser tocada num show) depende de autorização prévia. Tocar nas rádios, tocar como música ambiente de um churrasco, um cover de um fã que vai pro YouTube, todos são caracterizados como crime! Isso acaba impedindo uma série de fatores que seriam interessantes até para o próprio artista.

Garotos fazendo um som na garagem de casa
Ah! Se eles soubessem, jamais sairiam da garagem...

Por sorte, esse ano muito tem se discutido sobre a validade dessa lei que continua em vigor. Atualmente corre pelo Congresso Nacional uma proposta de atualização dessa lei, o que tem sido reivindicado por vários especialistas da mídia e por vários artistas. Contra ela estão somente as gravadoras e editoras. Não só aqui, mas nos EUA e em vários outros países! A alteração dessa lei vai mudar muita coisa pra quem ganha dinheiro às custas do sucesso e talento de outros… Assim como ‘inventando’ talentos!

Uma crise pode se instaurar e o interesse da grande mídia por lançar novas revelações, principalmente musicais, com certeza vai diminuir drásticamente! Mas algo tem que mudar… E já passou da hora!

Continua…

Preconceito Religioso!


Meus caros…

Não sou de ficar passando esse tipo de coisa pra frente, mas tive que abrir uma excessão neste caso. No último domingo, o programa Domingo Espetacular da Rede Record levou às telas uma reportagem que, no mínimo, deve ser levada em consideração pelos milhares de evangélicos espalhados pelo país. Infelizmente, o termo “evangélico” se tornou algo pejorativo nos nossos dias, sendo vinculado sempre à imagem das igrejas “neo-pentecostais” que estão por aí, à torto e à direita, fazendo parte do dia-a-dia da nossa mídia.

Porém, no último dia 21 (feriado), a Igreja Universal do Reino de DEUS conseguiu mobilizar um evento de enorme proporção (similar ao que a Renascer faz com a Marcha pra Jesus), reunindo cerca de 8 milhões de evangélicos nas ruas das capitais brasileiras. Só no Rio de Janeiro, cerca de 2 milhões de pessoas foram às ruas. O detalhe aqui foi a forma como a mídia local, ou melhor, como a Rede Globo repercutiu o evento.

Não preciso entrar em muitos detalhes aqui. O vídeo, que é exatamente a reportagem conduzida pelos repórteres da Record, fala por si só.

Assistam e tirem suas conclusões!

Estamos vivenciando o começo de um novo período de perseguição. E pior, estamos calados frente à isso! Não é hora de finalmente levantarmos nossas vozes, como corajosamente a igreja do Bispo Macedo tem feito nos últimos anos (e nós tanto os temos criticado)?

Reflitam!

Abraços,

Anderson Butilheiro

10º Big Brother Brasil


Há 10 8 anos ia ao ar pela primeira vez na TV brasileira um reality show, o Big Brother Brasil, carinhosamente apelidado de BBB pelos brasileiros. Marcando o começo de uma era na mídia nacional onde TV, revistas, Internet e rodinhas de amigos só falavam do eliminado da semana. Um verdadeiro fenomeno. Como não poderia deixar de fazer, deixo aqui meus parabéns a TV Globo, a Pedro Bial e a voce, que se senta em frente a TV no horário nobre para contemplar, há 10 anos, o programa mais assistido da TV brasileira!!

Curtir o Pedro Bial
E sentir tanta alegria
É sinal de que você
O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal
É preguiçoso mental
E adora baixaria.

Há muito tempo não vejo
Um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo
Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar
Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.

Me refiro ao brasileiro
Que está em formação
E precisa evoluir
Através da Educação
Mas se torna um refém
Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.

Em frente à televisão
Lá está toda a família
Longe da realidade
Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente
Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’.

Cuidado, Pedro Bial
Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador
Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis
Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.

O seu pai e a sua mãe,
Querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis
E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar
Pra manter e te educar
Com esforço especial.

Muitos já se sentem mal
Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes
Se enchem de calafrio
Porque quando você fala
A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.

Um país como Brasil
Carente de educação
Precisa de gente grande
Para dar boa lição
Mas você na rede Globo
Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.

Respeite, Pedro Bienal
Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada
E trabalha o dia inteiro
Dar muito duro, anda rouco
Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro.

Enquanto a sociedade
Neste momento atual
Se preocupa com a crise
Econômica e social
Você precisa entender
Que queremos aprender
Algo sério – não banal.

Esse programa da Globo
Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre
Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza
A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.

A moral e a inteligência
Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam
Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética
Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.

Não se vê força poética
Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade
Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente
É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.

Talvez haja objetivo
“professor”, Pedro Bial
O que vocês tão querendo
É injetar o banal
Deseducando o Brasil
Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.

Isso é um desserviço
Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança
Educação e atitude
Porém a mediocridade
Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude.

É grande o constrangimento
De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso
Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina
A gastar adrenalina:
Nesse mar de palhaçadas.

Se a intenção da Globo
É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente
Refém do seu poder:
Pois saiba que a exceção
(Amantes da educação)
Vai contestar a valer.

A você, Pedro Bial
Um mercador da ilusão
Junto a poderosa Globo
Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor:
Reflita no seu labor
E escute seu coração.

E vocês caros irmãos
Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações
Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo
Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.

E quando chegar ao fim
Desse Big Brother vil
Que em nada contribui
Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade:
Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.

E saiba, caro leitor
Que nós somos os culpados
Porque sai do nosso bolso
Esses milhões desejados
Que são ligações diárias
Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.

A loja do BBB
Vendendo só porcaria
Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade
Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia.

Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol,
baixaria e carnaval.
Queremos Educação
E também evolução
No mundo espiritual.

Cadê a cidadania
Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos
Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados
e vamos ficar calados
diante de enganadores?

Barreto termina assim
Alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco
Reaja à força do mal…
Eleve o seu coração
Tomando uma decisão
Ou então: siga, animal…

Ou voce achou mesmo que eu iria homenagear?

(o título real deste cordel é “BIG BROTHER BRASIL, UM PROGRAMA IMBECIL”, escrito por Antonio Barreto, professor e escritor de literatura de cordel, de Santa Bárbara, Bahia)

Melhor campanha publicitária…


… de vegetais de todos os tempos (clique na imagem para ampliar):

Os artistas que criaram essa campanha para a empresa HortiFruti, uma rede de hortifrutis do Rio e do Espírito Santo, fugiram do comum e fizeram uma superprodução para colocar em evidência o slogan da rede: “Aqui a natureza é a estrela”! Sempre muito bem pensados, os ‘cartazes’ são de bom gosto, originais e remetem a clássicos do cinema.

A agência responsável pela arte foi a MP Publicidade, de Vitória-ES. As artes, utilizadas em outdoors pelas diversas cidades atendidas pela rede nos dois estados, são colocados semanalmente nas ruas e sempre chamam bastante atenção pela imensa criatividade. Logo os banners já estavam na Internet, em anúncios em diversos sites.

Aliás, o pessoal da MP tem feito bons trabalhos com vários outros clientes. Com a própria HortiFruti, por exemplo, existem outras campanhas bem legais, inclusive uma que coloca nos produtos um ar bem infantil e remete à animação “Os Vegetais” (The Veggie Tales), que passou há algum tempo atrás, se não me engano, no SBT.