Cinema: Marley & Eu (Marley & Me)

“Um cão não quer saber se você é rico ou pobre, alfabetizado ou iletrado, esperto ou meio lento. Dê a ele seu coração e ele lhe dará o dele.” (John Grogan)

Há muito tempo Hollywood deixou de investir em histórias como a de Marley & Eu. Agora só se vê sangue, histórias com alto índice de teor adulto ou comédias extremamente “besteirentas”. Até mesmo os “dramas” não são como antigamente. Incrível é que nesse cenário todo, o cinema americano tem lucrado mais do que em toda a sua história.

Felizmente Marley & Eu vem resgatar um pouco do que eu chamo de “o bom cinema de anos atrás”. Não que eu não goste do cinema atual. Sou fã de blockbusters e confesso isso. Sou da turma que gera o lucro dos mega-estúdios. Mas sentia saudades de boas histórias com finais surpreendentes como a de Marley & Eu. Se você não quer perder a surpresa, não continue lendo.

Imagem de divulgação
Imagem de divulgação

AVISO: SPOILERS A SEGUIR

Fui ver Marley & Eu despretensiosamente, como quem vai ver qualquer outro filme de comédia romântica. Curto o gênero, principalmente quando Jennifer Aniston é uma das protagonistas. O outro, Owen Wilson, é um cara que sempre me surpreende. Não vejo falarem tanto dele, mas acho um dos melhores atores de comédia da atualidade. Um cara que não precisa falar besteiras ou fazer caretas para ser engraçado. Sempre gosto dos filmes dele. Mas dessa vez me surpreendi demais.

Poster: Marley & Eu
Poster: Marley & Eu

Baseado no livro de mesmo nome, Marley & Eu (até que enfim traduziram o nome de um filme ao invés de colocar um subtítulo ridículo como “Um cãozinho do barulho”) conta a história de John Grogan (Owen Wilson) e seu cão Marley, um labrador que não segue muito bem a linha dos cães de sua raça. John acaba de se casar com Jenny e se mudar para a Flórida onde ambos decidiram tentar seguir carreira como jornalista. Com algum tempo de casamento, Jenny (Jennifer Aniston) conversa sobre a possibilidade de ter um filho e John, que não achava ser a hora certa, decide ter um cachorro. É aí que a coisa toda começa.

Marley é um cão totalmente desajustado que não tem controle. Totalmente imprevisível, o labrador quebra, morde e destrói tudo o que vê. Mas é boa companhia e aos poucos vai fazendo parte da rotina do casal. As coisas melhoram um pouco quando John tem a oportunidade de substituir um colunista do jornal e, por falta de assunto, decide escrever sobre seu dia-a-dia com Marley. A coluna faz sucesso e logo John se vê escrevendo sobre os passeios com o cachorro, as dificuldades na criação do cão, seu próprio trabalho, casamento e amizades. O filme, que parecia ser uma comédia romântica, se torna uma comédia sobre a vida de um sujeito e seu cão. Mas não uma comédia idiota, uma plausível, com situações que poderiam acontecer com qualquer um. E, aos poucos, acabo me simpatizando com a história e, principalmente, com Marley.

Só que as coisas mudam quando finalmente Jenny engravida. No começo as coisas vão bem, o bebê á apaixonado pelo cachorro e tudo continua dando certo por um tempo. Mas logo que Jenny engravida novamente, tudo começa a complicar. O filme perde aquela cara de comédia do começo e ganha ares de drama. Começam as brigas, as dificuldades do casamento, John chega aos 40 anos e o casal vê sua vida bem diferente do que eles haviam imaginado. Marley, que continua impossível, acaba se tornando alvo do stress do casal e motivo de brigas. Jenny acha difícil manter o cão em casa, mas John, muito mais apegado a ele, não aceita “se livrar” do cachorro.

Com a chegada do terceiro filho as atenções para Marley ficam ainda menores por parte do casal, mas os filhos amam o cão e a relação dele com a família se torna mais intensa. Marley faz parte não só da vida de John, mas do cotidiano de todos. As travessuras de Marley se intercalam com o drama da construção de uma família e, mesmo com momentos engraçados, o filme chega à um clímax sentimental quando John se vê um homem de família com uma esposa, três filhos e um cachorro. Esse clímax é bem similar ao de outros filmes do gênero como Click (com Adam Sendler) e O Todo Poderoso (com Jim Carrey).

Imagem de divulgação
Imagem de divulgação

Mas quando tudo parece caminhar bem, diferente dos outros filmes do gênero, Marley & Eu surpreende com um final ainda mais sentimental. Com o passar do tempo, Marley não agüenta mais participar de todas as brincadeiras e começa a se isolar. Aos poucos o cão, envelhecido, adoece e começa a preocupar toda a família. É nesse ponto que realmente o filme comove ao vermos a importância do cão, que parecia ser “o pior cão do mundo”, nas palavras do próprio John, se tornar o melhor cão, pois era aquele que os amava.

Tenho certeza que alguns amigos não fariam o mesmo, mas não me contive. Algumas lágrimas desceram pelo meu rosto enquanto acompanhava os momentos finais da vida de Marley e a angústia de John ao perder seu melhor amigo. A cena da morte do cão é absolutamente comovente. Em seguida vemos a despedida da família daquele que, sem dúvida, foi o principal responsável por fazer daquela família o que eles haviam se tornado. É um desfecho digno para um excelente filme. As lembranças de Marley estavam nos vídeos da família, nas fotos, nas boas e más lembranças e nos relatos diários escritos por John em sua coluna no jornal.

Marley & Eu não só é um filme que recomendo por ser bom, mas um filme daqueles que se deve ver e rever e absorver a bela mensagem que ele trás. Diferente de outras comédias, o filme não apela para o palavreado baixo, para cenas pesadas, mas mostra situações que vivemos em nossas rotinas e quão importante elas são para a construção de nossa felicidade. É um filme cheio de detalhes, muito bem escrito, dirigido e interpretado. Talvez não seja um filme para um Oscar, já que muito dificilmente algo desse gênero vá concorrer numa premiação futura, mas é sim digno de estar na lista de filmes para se ver e curtir com a família e amigos. Várias vezes.

Avaliação final: 9/10

3 opiniões sobre “Cinema: Marley & Eu (Marley & Me)”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s